Eu e a magrela

Quando eu era solteira, houve um tempo em que eu me encantei por andar de bicicleta. Comprei uma de segunda mão, não sabia nem trocar as marchas, mas resolvi que ia aprender a usar a bike e fazer dela o meu passatempo.

Na época não se falava tanto em sustentabilidade, ou melhor, essa não era uma preocupação que rondasse muito os meus pensamentos, então eu usava a bicicleta só pra passear nos fins de semana. Eu nem sequer cogitava a possibilidade de fazer dela um meio de transporte!

Aí eu casei. E como todo ser humano que se preze, estava bem feliz com a minha vidinha a dois comendo, bebendo, dormindo e vendo TV para todo o sempre. A bicicleta foi aposentada e depois de anos juntando pó e ocupando espaço, me desfiz dela.

Acho que faz bem uns 10 anos (no mínimo) que eu não ando de bicicleta. E acabei de comprar uma. Elétrica. Pois é, eu sou meio doida mesmo. Na verdade, existem alguns motivos que me fizeram investir na magrela novamente:

  • Engordei uns 20kg nos últimos 2 anos e estou cada vez mais sedentária
  • Recomendação médica para me ajudar não só a perder peso, mas também a controlar a minha ansiedade
  • Atualmente eu trabalho a menos de 5km de distância da minha casa
  • Estou gastando uma graninha considerável com Uber e desconto em folha de pagamento de vale transporte para usar ônibus

Esses motivos, aliados ao fato de que eu detesto fazer academia e tenho pavor de puxar ferro, me fizeram ter vontade de voltar a pedalar. Porém, para quem não sabe, eu moro no topo de uma subida que deve ter uns 1.000 graus de inclinação (mentira, estou exagerando, não chega a tanto, deve ser só uns 950 graus…), e isso sempre me desmotivou a fazer qualquer tipo de exercício físico. Por isso pensei na bike elétrica.

Hoje foi o dia da estreia! Não consegui nem dormir direito, ansiosa, aflita, com medo de arregar no meio do caminho e não dar conta do recado. Saí de casa 10 minutos mais cedo por precaução e levei 20 minutos, no total, entre a saída da minha casa, percorrer os 3,8km, empurrar a bicicleta numa subida feladamãe, montar na magrela de novo, entrar na empresa, amarrar a bichinha no bicicletário e finalmente entrar na minha estação de trabalho.

Pois é, a bike é elétrica e eu pensei que ela funcionasse como uma espécie de motocicleta onde eu iria tranquilamente vencer as subidas da vida sem muito esforço. Ledo engano. O motor dá um help, mas se não pedalar, não existe mágica, você não sai do lugar.

Não morri, mas cheguei no trabalho suada, sem fôlego, com as pernas trêmulas. E eram 5h30 da manhã. Venci a primeira etapa, mas confesso que passei todo o expediente morrendo de medo do caminho de volta e da tal ladeira desgramada me esperando.

A volta não foi assim tão terrível como eu imaginei. Realmente não tive perna suficiente para subir a ladeira, empurrei a bike até o topo e isso me fez gastar 10 minutos a mais do que a ida. No total deu 50 minutos de exercício físico, acho que tá bom pra quem não faz absolutamente nada há, pelo menos, uns 2 anos.

Resultado da minha estreia: yes, I can! O corpitcho ficou cheio de endorfina, passei o dia bem, sem dores musculares absurdas, felizona por ter conseguido dar o pontapé inicial, porém já de cara furei o pneu da magrela. Sim, os astros devem estar de brincadeira comigo… Pausa para remendar o pneu e seguir pedalando em 2017.

Anúncios

Comenta aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: