Arquivo da tag: gravidez; médico; saúde

Coloquei!

Gente, coloquei o DIU hoje. Foi tranquilo, jogo rápido mesmo, em 1 hora já tinha terminado tudo e estava pronta pra ir pra casa. Passei esses últimos dias bem ansiosa, pois estou apostando mesmo nesse negócio. E não foi barato, não. Tenho medo de ter reações parecidas com as que eu tinha com o AC, tenho medo de não me adaptar com essa joça ou de ter algum problema no futuro.

Acho que são encanações normais (hein?) de gente ansiosa como eu. Amanhã ficarei de molho, médico querido me deu atestado e vou aproveitar para dormir bastante. Detalhe para o que vou falar agora: gente, como é legal tomar anestesia! Parece loucura, mas é tão gostosa aquela sensação antes de apagar! Fora que eu acordei meio grogue, parecia que estava bêbada, contei minha vida toda pra enfermeira, falei pro anestesista que eu tava meio maluca… Agora que eu lembro, estou com vergonha… hehehehe

Balanço

4 anos e 9 meses, inúmeras tentativas, 2 abortos espontâneos, 1 cirurgia de endometriose, 1 tratamento para engravidar. E depois de tudo isso, o que é que restou? Indignação, sentimento de perda, inconformismo, resignação.

Não vou passar por nada disso outra vez. Ponto.

And here we go again

Pois é, galera… Peguei o resultado positivo para gravidez na 6a feira e no domingo já comecei a ter sangramento. Lá vamos nós outra vez, corre pro hospital, faz ecografia, futuca aqui, mexe ali… Colo do útero fechado, sangramento leve, pra confirmar se é um aborto só fazendo a eco, eco marcada para as 2 da tarde, 1h30 de atraso no atendimento de emergência. Médico diz que o saco gestacional é pequeno, não é possível ver embrião, a gravidez pode ter parado de evoluir há duas semanas ou minha ovulação aconteceu mais tarde. Ahhhhrrrg… Que sensação de deja vour. Caramba, Deus eu nem pedi mais pra ficar grávida, eu só pedi pra não passar por isso tudo de novo!!!

O médico que fez o exame recomendou refazer a eco daqui uma semana, pois o saco gestacional está no lugar em que deve estar e até lá alguma coisa pode evoluir. Chorei na frente da médica de plantão, só faltei pedir peloamordeDeus não me manda pra casa pra ficar esperando alguma coisa acontecer, vamos acabar logo com isso!!! Ela foi paciente, me explicou que não tem nada que possamos fazer agora, pois interromper a gravidez antes de ter uma confirmação de que estou sofrendo um aborto seria como praticar um aborto ilegal. Ok, doutora, eu entedi. Enxuguei as lágrimas, me resignei e fui pra casa tomar remédio pra dor. Conclusão, estou em casa de atestado até 6a feira, tenho que fazer repouso, tomar bastante líquido e (PQP!) esperar.

De ontem para hoje o fluxo aumentou, as cólicas também. Enquanto for suportável, vou levando a situação, afinal estou de atestado mesmo. Tenho uma ecografia marcada na próxima 2a feira que vai confirmar o que eu já sei: essa gravidez não vai adiante, mais uma vez. Aproveitando que estou com muito tempo livre, tenho pensado bastante sobre essa situação toda. Primeiramente eu nem estava mais tentando engravidar, já tinha aceitado que isso não seria possível. O que ficou claro agora é que não é esse o meu problema. Talvez eu leve um pouco mais de tempo para conceber, mas no fim das contas a coisa dá certo. Meu problema é fazer com que a gravidez siga adiante, pode ser algum problema físico meu ou pode ser alguma incompatibilidade genética entre eu e o marido. Se a segunda opção for a verdadeira, não há o que fazer. Quantas vezes eu conseguir engravidar, será o mesmo número de vezes que vou perder a gestação.

O que eu e marido resolvemos ontem é que não vamos mais tentar descobrir nada a respeito disso e que não vamos mais deixar esse tipo de coisa acontecer. Assim que possível vou marcar uma consulta com o médico que me acompanhava no caso da endometriose e vou pedir que ele estude qual é a melhor opção para mim. E assim caminha a humanidade…

Confirmado!

Peguei o resultado dos exames hoje de manhã. Assim, como quem não quer nada, falei ao marido: “vamos passar no posto só pra ver se os exames estão prontos? Pode ser que nem estejam, mas não custa tentar…” E lá fomos nós.

Felizmente fui atendida por uma enfermeira muito simpática, muito querida que digitou meus dados no sistema, fez uma ou duas perguntas e daí disparou: “vamos começar a fazer o pré-natal então?” Eu e o marido paramos por um segundo, nos olhamos e eu perguntei: “mas então deu positivo?” Ela abriu um sorrisão e confirmou! E aí já me mandou pra uma outra sala para pegar meu peso, medidas e tirar a pressão arterial, em seguida voltei com a enfermeira que já me entregou a carteirinha de gestante, fez várias recomendações, pediu uma bateria de exames de rotina, alguns inclusive para o marido e pra finalizar tive que atualizar algumas vacinas que estavam em aberto. Tudo assim, numa tacada só! Eu mal tive tempo de digerir a notícia e já estava sendo tratada como gestante!

Gente, uma pausa para falar sobre o ATENDIMENTO do POSTO DE SAÚDE!!! A-DO-REI!! Já saí de lá com tudo esquematizado, exames marcados para 2a feira e consulta com o ginecologista para o dia 18! Fora que a ecografia que ele tinha pedido lá no dia 20 de junho e que a mocinha me disse que demoraria uns 3 meses para ser agendada, está marcada para o dia 22!  Lógico que se fosse uma situação de emergência, um mês de espera é um tanto quanto fora do aceitável, mas para quem achava que ia esperar 3 meses para fazer um exame, diminuir isso consideravelmente é uma surpresa boa.

Agora, voltando à vaca fria… Continuo apreensiva. Acho que todo mundo que já passou por um aborto espontâneo entende o frio na barriga que dá, o medo de passar por tudo aquilo outra vez. Então temos que esperar mais 4 semanas para sair do período de maior risco. Até lá, boca fechada e pensamentos positivos.

Será?

Gente, acho que estou grávida. Estou “atrasada” há 10 dias e isso não é normal. Atrasar até uns 3 dias tudo bem, na verdade já aconteceu de atrasar uns 5 dias. Mas 10 dias só aconteceu da outra vez que eu engravidei e perdi.

Medo. Medo de passar por tudo aquilo novamente. Medo e surpresa. Tô com medo até de marcar médico pra fazer exame. E com essa correria do freela que eu peguei, tá mais difícil ainda agendar médico depois do trabalho. Vou segurar a ansiedade e agendar para depois do feriado.

Coisas da vida

Passando por momentos de crise. Crise existencial que nada tem a ver com gravidez, gatos ou emprego. Mas tem a ver com pessoas e com a minha pessoa. Pensando tanto que a cabeça parece que vai pifar.

*

Depois que eu operei, meu corpo todo mudou. Meus ciclos passaram a ser mais curtos e durante meses eles foram incrivelmente regulares. De uns tempos pra cá eles começaram a espaçar mais e mais. Tenho medo de a endometriose estar formando lesões novamente. Até o final desse ano tenho que tomar uma atitude a respeito disso.

Contei

Depois de praticamente uma semana remoendo dentro de mim aquela história da FIV pelo SUS, chamei o marido para uma conversa séria e falei com ele a respeito. Ensaiei o discurso, sabia exatamente o que dizer, que ele não precisava se preocupar, pois eu sabia tudo o que ele pensava a respeito (a sabe-tudo atacando mais uma vez) e que eu estava em dúvida sobre o que fazer. No final, me emocionei e estraguei todo o texto ensaiado.

Mas foi legal, ele me disse que realmente pensava tudo aquilo mas não era daquela maneira que ele iria me falar sobre isso. Ele acha que é legal ver, disse que vai junto comigo nas consultas, mas que espera que eu esteja preparada psicologicamente para uma possivel frustração se não der certo. Além do mais, não vamos desistir da adoção, continuamos todo o processo igual.

É isso aí, minha gente, lá vou eu para mais uma tentativa.